Clipping Online: Notícia

Notícias :: Em webinar, Humberto Martins fala sobre ações da Corregedoria na pandemia

 Na quarta-feira (6/5), o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, participou de seminário jurídico virtual com o tema “Ações da Corregedoria do CNJ no período da pandemia da Covid-19”. Além de Martins, participaram do debate o diretor da Academia Cearense de Direito, Leandro Vasques, e o diretor de comunicação da Academia, Marcos Gomide, mediador do evento.

O ministro destacou que a Corregedoria Nacional de Justiça tem pautado as fiscalizações de magistrados da mesma maneira que fazia antes. Entretanto, em razão da pandemia e do contexto atípico no qual estamos inseridos, além da fiscalização ordinária, têm chegado ao conhecimento do órgão muitos fatos relativos à Recomendação 62/2020, bem como com a Resolução 305/2019, devido a maior permanência de todos em suas casas e intensificação do acesso à internet e dos contatos interpessoais por meio de redes sociais.

“Desde a decretação do estado de calamidade, em 20 de março, até o dia de hoje, foram instaurados 534 pedidos de providências; 82 reclamações disciplinares e 184 representações por excesso de prazo. Os processos são todos eletrônicos e tramitam no Sistema do Processo Judicial Eletrônico (PJe)”, disse Humberto Martins.

O corregedor nacional ressaltou também que, nesse período, o Conselho Nacional de Justiça instaurou quatro processos administrativos disciplinares (PADs) e aplicou uma penalidade.

Suporte
O ministro Humberto Martins salientou ainda que o suporte tecnológico que a corregedoria nacional dispõe aos jurisdicionados, no geral, se dá da mesma forma que antes do distanciamento social resultante da pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, qualquer cidadão pode acionar o CNJ por meio de petição eletrônica no PJe ou por requerimento em papel que poderá ser enviado pelos Correios para o Protocolo da instituição.

No entanto, Martins alertou que, nos casos de encaminhamento, por advogado constituído, de reclamação disciplinar, representação por excesso de prazo e, conforme o caso, pedido de providências, todos da competência da Corregedoria Nacional de Justiça, será necessária procuração outorgada com poderes específicos para propor procedimento perante o CNJ.

Quanto aos atendimentos presenciais, o corregedor nacional destacou que, em razão do distanciamento social, eles foram suspensos, mas que é possível entrar em contato com o órgão por meio do Disque Cidadania e do e-mail corregedoria@cnj.jus.br.

“Todos os meios de contato e suporte mencionados estão dispostos no sítio eletrônico do Conselho Nacional de Justiça, na aba ‘O CNJ’ e ‘Como acionar o CNJ’. Lembro também que todas as atribuições do corregedor nacional de Justiça estão definidas no artigo 103-B da Constituição Federal, e regulamentadas no artigo 31 do Regimento Interno do CNJ”, disse o ministro.

Trabalho remoto
Leandro Vasques, diretor da Academia Cearense de Direito, aproveitou a oportunidade para parabenizar o corregedor nacional de Justiça pela eleição para ser o presidente do Superior Tribunal de Justiça no biênio 2020-2022.

Vasques destacou os índices de produtividade do trabalho remoto no Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), que superou em mais de 30% os índices de trabalho antes da quarentena, mas levantou uma dificuldade que vem sendo levantada pela classe de advogados, em relação ao acesso aos magistrados nesses tempos de isolamento.

Para enfrentar o problema, ele apresentou, como sugestão ao corregedor, que o CNJ regulamente o atendimento por videoconferência entre advogados e juízes durante a pandemia.

Agência CNJ de Notícias

 

https://www.cnj.jus.br/em-webinario-humberto-martins-fala-sobre-acoes-da-corregedoria-na-pandemia/

Fonte: CNJ em 08/05/2020
Esta notícia foi visualizada 37 vezes.

Voltar

Tribunal Regional Federal da 3ª Região
Av. Paulista, 1842 - Cep: 01310-936 - SP - � 2010