Notícias: Notícia

MUTUÁRIOS TENTAM RENEGOCIAR CONTRATOS DA CASA PRÓPRIA EM SEMANA DE CONCILIAÇÃO

O mutirão é organizado pelo Gabinete da Conciliação do TRF3

O mutirão de conciliação dessa semana, coordenado pelo juiz federal Eurico Zecchin Maiolino, trata de processos do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e envolve os financiamentos de imóveis e questionamentos dos contratos, como taxas de juros e formas de amortização.

Segundo o juiz federal Eurico Zecchin Maiolino, problemas financeiros e revisão de contratos são, basicamente, os motivos que levam o mutuário a recorrer à Justiça para não perder o imóvel. “A conciliação é a tentativa de obter um acordo adequado às condições financeiras do mutuário e é interesse de todos que o problema seja resolvido aqui”, diz.

O juiz explica também que, no mutirão há processos de épocas diversas, como aqueles em que o reajuste das prestações era vinculado à equivalência salarial da categoria profissional do comprador: “Nesse caso, ou as parcelas subiam muito e o mutuário não conseguia pagar, ou as parcelas aumentavam pouco e o saldo devedor ficava muito grande, com um resíduo alto”.

Há também, entre outros, processos referentes aos contratos do plano de comprometimento de renda, que vinculava o aumento da parcela a um percentual limitador. “Muitas vezes o reajuste da prestação não era suficiente para pagar o saldo devedor e isso poderia gerar resíduo no final”, salienta o coordenador.

Os processos do mutirão dessa semana tramitam em grau de recurso no Tribunal Regional Federal da 3ª Região. Foram pautadas aproximadamente 300 audiências, que acontecem até o dia 13/11, no horário das 12h30 às 16h30, no Fórum Pedro Lessa - Av. Paulista, 1.682 - 12º andar.

Acordos

Lucia Maria Aoyama, 60 anos, e Jiro Aoyama, 55 anos, compraram um apartamento em 1990 e pagaram as prestações por 12 anos. Como as parcelas ficaram muito altas, resolveram procurar a Justiça. A dívida atual do imóvel foi avaliada em R$ 90 mil. Após a audiência de conciliação realizada ontem, 10/11, ficou em R$ 40 mil. “Muitas vezes pensamos só no imóvel, mas a questão é o empréstimo que foi feito, em que os juros correm da forma que têm que correr. O acordo que nós fizemos hoje, por intermédio do nosso advogado, foi justo. Pagaremos 10% do valor e o restante será parcelado em 5 anos” diz Jiro.

Alexandre Leonel da Silva, 40 anos, motorista, comprou um apartamento no ano 2000. Como sua esposa não gostou do imóvel, em 2001 resolveu vender e fez um contrato de gaveta. Houve uma ação judicial e a dívida do imóvel chegou a R$ 90 mil. Após a audiência no mutirão, o montante ficou em R$ 30 mil. “A conciliação é um excelente negócio. Vou refinanciar este valor, utilizar o meu fundo de garantia e pagar uma parcela que cabe no meu bolso”, conclui Alexandre.

Fotos: Wellington Campos / TRF3

1 - Juiz federal Eurico Zecchin Maiolino
2 - O casal Lucia Maria Aoyama e Jiro Aoyama assinam o acordo
3 - O mutuário Alexandre Leonel da Silva
4 - Mesas de conciliação


Mônica Gifoli
Assessoria de Comunicação

Visitas a notícia

Esta notícia foi visualizada 701 vezes.

Assessoria de Comunicação Social do TRF3 - 3012-1329/3012-1446

Email: acom@trf3.jus.br



Dados para pesquisa de notícias


Tribunal Regional Federal da 3ª Região
Av. Paulista, 1842 - Cep: 01310-936 - SP - © 2010