Notícias: Notícia

CONSELHO DE PSICOLOGIA NÃO PODE EXIGIR CERTIDÃO DE QUITAÇÃO ELEITORAL PARA REGISTRO DE PROFISSIONAIS

Entendimento é que a lei que regulamenta a profissão não exclui indivíduos com direitos políticos suspensos de sua atuação

A desembargadora federal Monica Nobre, da Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), determinou a inscrição de uma profissional recém-formada nos quadros do Conselho Regional de Psicologia do Estado de São Paulo, independentemente da apresentação de Certidão de Quitação Eleitoral.

A profissional concluiu o curso de graduação em Psicologia em 2015, mas foi impedida de se inscrever no conselho, pois uma condenação por improbidade administrativa na 1ª Vara Cível da Comarca de Fernandópolis/SP havia suspendido seus direitos políticos por oito anos.

Assim, sem conseguir apresentar a certidão de quitação eleitoral exigida pelo conselho para sua inscrição, ela impetrou o mandado de segurança na Justiça Federal buscando regularizar sua situação e trabalhar na profissão escolhida.

A desembargadora explicou que a exigência questionada está baseada no artigo 8º, item III da Resolução nº 03/2007 do Conselho Federal de Psicologia, que prevê a apresentação dos "comprovantes de votação da última eleição ou justificativas”. Também afirmou que o artigo 5º, inciso XIII, da CF determina ser livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer.

“Logo a Resolução não é meio hábil a condicionar o exercício profissional dos profissionais de psicologia, visto que não constitui lei em sentido formal e sim ato administrativo infralegal”, concluiu a magistrada.

Ela destacou ainda que a Lei nº 5.766/71, que criou os conselhos regionais e federal de psicologia, não exclui do exercício de profissional de psicólogo o individuo com os direitos políticos suspensos, como é o caso em questão.

“Portanto, se verifica que o registro profissional não pode ser dependente de entrega de comprovação de quitação com a Justiça Eleitoral em deferência aos princípios constitucionais, principalmente o da legalidade”, declarou a desembargadora.

Remessa Necessária Cível 0006065-97.2015.4.03.6100/SP

Assessoria de Comunicação Social do TRF3

Visitas a notícia

Esta notícia foi visualizada 725 vezes.

Assessoria de Comunicação Social do TRF3 - 3012-1329/3012-1446

Email: acom@trf3.jus.br



Dados para pesquisa de notícias


Tribunal Regional Federal da 3ª Região
Av. Paulista, 1842 - Cep: 01310-936 - SP - © 2010