TRF3 SP MS JEF

acessibilidade

Transparência e Prestação de contas
ícone de acesso à internet Acesso à Internet
Menu

30 / novembro / 2023
Quarta Turma confirma apreensão de produtos naturais transportados sem licença do Ibama

Alfabisabolol não estava acompanhado do Documento de Origem Florestal, previsto em portaria do Ministério do Meio Ambiente  

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve a apreensão de amostras de alfabisabolol e confirmou a legalidade de autos de infração aplicados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a uma indústria que comercializa produtos e óleos originários de matérias-primas da natureza. 

Para o colegiado, a autuação ocorreu de acordo com a competência da autarquia. Os magistrados entenderam que a empresa não apresentou a licença obrigatória para o transporte e armazenamento de produtos e subprodutos florestais de origem nativa. 

Conforme os autos, a indústria foi autuada e teve apreensão de amostras do alfabisabol pelo Ibama. O material, que seria enviado para empresas do exterior, não estava acompanhado do Documento de Origem Florestal (DOF), previsto pela Portaria nº 253/2006 do Ministério do Meio Ambiente e pela Lei nº 12.651/2012.   

Após negativa de pedido administrativo, a empresa acionou a Justiça Federal para anulação dos autos de infração, liberação de amostras e não retenção do produto. A 8ª Vara Federal de Campinas/SP julgou o pedido improcedente.  

A indústria recorreu ao TRF3 e sustentou que o alfabisabolol não poderia ser considerado produto florestal nativo, mas mercadoria acabada, embalada, manufaturada e para consumo final. 

Ao analisar o caso, a desembargadora federal relatora Monica Nobre enfatizou que a Instrução Normativa nº 21/2014 do Ibama considera o alfabisabolol como composto orgânico extraído da planta candeia. O produto tem propriedades anti-inflamatórias, antibacterianas, antimicóticas e calmantes. É classificado como óleo essencial e utilizado como matéria-prima para fabricação de cosméticos. 

A magistrada ratificou a sentença da Justiça Federal. “Os atos administrativos gozam de presunção de legalidade e legitimidade. A comprovação de equívocos ou ilegalidades traduz ônus de quem as alega, neste caso, à parte autora incumbe demonstrá-los, o que não se verifica concretizado nos autos”, concluiu. 

Assim, a Quarta Turma, por unanimidade, negou provimento ao recurso e manteve a apreensão dos produtos e a determinação de licença obrigatória para o transporte e armazenamento.   

Apelação Cível 5004881-98.2018.4.03.6105  

Assessoria de Comunicação Social do TRF3

Siga a Justiça Federal da 3ª Região nas redes sociais: 

TRF3: Instagram, Facebook, Twitter e Linkedin
JFSP: Instagram, Facebook e Twitter
JFMS: Instagram e Facebook

Visitas a notícia

Esta notícia foi visualizada 554 vezes.

Assessoria de Comunicação Social do TRF3

Email: acom@trf3.jus.br



Compartilhar
Pesquisa de notícias

Dúvidas » Email : acom@trf3.jus.br