TRF3 SP MS JEF

acessibilidade

Transparência e Prestação de contas
ícone de acesso à internet Acesso à Internet
Menu

04 / dezembro / 2015
TRF3 MANTÉM CONDENAÇÃO À PRISÃO DE FURTADORES DE OBRAS DE PICASSO E PORTINARI NO MASP EM 2007

Defesa pedia absolvição e anulação de escutas telefônicas que permitiram a captura dos criminosos e recuperação de telas pela polícia

A Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve a condenação à prisão de acusados de furtar em 2007 as telas "Retrato de Suzanne Boch", de Pablo Picasso, e "O Lavrador de Café", de Cândido Portinari, nas dependências do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na capital paulista.

Os desembargadores rejeitaram o pedido dos reús pela absolvição pelo crime de furto qualificado consumado (artigo 155, parágrafo 4º, incisos I e IV do Código Penal) e também a alegação de vício nas transcrições das interceptações telefônicas, autorizadas pela Justiça.

“A materialidade e autoria do delito tipificado (furto) foram amplamente demonstradas pelo conjunto probatório coligido aos autos, com relação aos corréus. A interpretação foi dada pelo próprio magistrado (juiz de primeira instância), sem interferência de terceiros. Outrossim, não comprovada a alegada má-fé ou abuso de autoridade dos policiais que atuaram na interceptação”, destacou o relator do processo, desembargador federal Hélio Nogueira.

Os condenados praticaram o crime em 20 de dezembro de 2007, durante a madrugada, após duas tentativas frustradas. Segundo a denúncia Ministério Público Federal, os réus foram pegos após escutas telefônicas e investigações que apontaram que eles haviam planejado o furto em conversas em bares da zona nordeste de São Paulo, próximo à divisa com o município de Ferraz de Vasconcelos (local onde as telas foram recuperadas pela polícia). O objetivo era subtraírem obras de arte para serem revendidas, provavelmente no exterior, por encomenda de terceiros.

Para o MPF, a divisão de tarefas de cada um era bem delimitada. O primeiro criminoso teria residido no exterior, adquirido conhecimento de obras de arte em visitas a museus e incumbindo-se de selecionar as mais valiosas de uma lista fornecida. Esteve ainda no local dos fatos previamente para obter informações estratégicas sobre a localização das obras e os turnos dos vigilantes, além de ter participado ativamente na subtração posterior das obras de arte.

O segundo seria responsável por recrutar os colaboradores para a execução operacional do crime, de conduzir o veículo para o transporte dos demais autores até o local dos delitos e dos bens subtraídos, além de ter recrutado pessoa de confiança para receber e ocultar os bens.

Já o terceiro integrante além de ter participado dos atos de execução dos delitos, teria utilizado o próprio veículo para transporte até o local alvo, nas datas dos fatos, bem como tinha conhecimento e sabia manusear os instrumentos utilizados para entrar no MASP e para retirar as obras de arte.

Quanto ao quarto, teria a tarefa ceder, livre e conscientemente, o uso de imóvel de sua propriedade para receber e ocultar os bens de altíssimo valor monetário e cultural que vieram a ser subtraídos.

Ao reafirmarem a condenação dos réus, os magistrados da Primeira Turma do TRF3 aplicaram as penalidades definitivas de prisão, em regime de reclusão, que variam de três anos e seis meses a cinco anos, além de penalidade pecuniária (pagamento de dias-multa). A um dos réus foi decretada extinta a punibilidade por prescrição.

“A comprovação do concurso de agentes resulta claro da prova dos autos, já que foi necessária a participação de diversos indivíduos para a consecução do furto, assim como demonstrada a qualificadora de rompimento de obstáculos pelo laudo pericial e fotografias juntadas aos autos. Destarte, diante do acervo probatório coligido, de rigor seja mantida a condenação dos corréus pelo crime de furto qualificado, tipificado no artigo 155, parágrafo 4º, incisos I e IV do Código Penal”, concluiu o desembargador federal relator.
 
Apelação criminal 0001142-23.2008.4.03.6181/SP

"O Lavrador de Café", do modernista brasileiro Cândido Portinari, furtada em 2007
"Retrato de Suzanne Boch", do genial Pablo Picasso, pertence ao acervo do MASP

Assessoria de Comunicação Social do TRF3

Visitas a notícia

Esta notícia foi visualizada 1696 vezes.

Assessoria de Comunicação Social do TRF3

Email: acom@trf3.jus.br



Compartilhar
Pesquisa de notícias

Dúvidas » Email : acom@trf3.jus.br